Últimas Notícias

Sabe-se que os novos corretores de imóveis encontram as mais diversas e idênticas dificuldades no início de carreira. Pensando nisso, o Creci-PR desenvolveu um projeto chamado Creci-Jovem.  A intenção é desenvolver uma política específica para os novos profissionais, facilitando discussões de problemas comuns, além de integrar os novos profissionais no mercado com condições técnicas e adequadas ao exercício de sua atividade.

O primeiro ciclo de palestras desse projeto será realizado no dia 14 de novembro. Participe!

Custo de vida menor e crescimento dos municípios da região são fatores que impulsionam esse movimento

Se a Região Metropolitana de Curitiba (RMC) já foi conhecida por abrigar condomínios e loteamentos populares, aos poucos essa imagem vai se modificando, com a migração de condomínios horizontais de médio e alto padrão que não encontram na capital espaço para sua implantação.

“Essa tendência se confirma justamente pela escassez de grandes áreas disponíveis na capital e também pelo alto custo dos terrenos existentes”, explica o presidente em exercício da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi/PR), Jefferson Gomes da Cunha.

Para as construtoras, apesar de estarem fora da capital, os empreendimentos chamam a atenção de quem quer morar em casa com segurança e opções de lazer. “É um público muito fiel, então isso faz com que ele ache razoável se deslocar para regiões mais distantes”, afirma o diretor comercial e de marketing da Paysage Empreendimentos, Henrique Penteado Teixeira.

Esse deslocamento também foi facilitado nos últimos anos, o que, para Cunha, é uma vantagem, especialmente quando somado ao menor custo de vida nos municípios da RMC.

Além disso, o crescimento dos municípios da região metropolitana nos últimos anos também torna o investimento nesses empreendimentos interessante para as construtoras. “Existe um mercado a ser explorado nesses locais”, explica Teixeira.

Em alguns casos, os projetos para este novo mercado também podem ser novidade, o que acarreta interesse. “Você passa a oferecer para o morador da RMC algo a que até pouco tempo atrás ele não tinha sem sair do município dele”, diz o diretor da Construtora Strobel, Félix Strobel Júnior, que tem um empreendimento em fase de implantação em Colombo, o Alta Vista Condominium, que ao lado de outros dois condomínios vai integrar o projeto Eccotown da Pedreira.

Distância
A facilidade de deslocamento não é o único fato que “diminui” a distância para quem se muda de Curitiba para um condomínio na região metropolitana. “As pessoas têm uma ligação com a região onde moram”, diz o diretor da Construtora Strobel, Félix Strobel Júnior. Para ele, um morador do Cabral pode preferir viver em Colombo ou Almirante Tamandaré do que em bairros do outro lado da capital.

Características
De modo geral, os condomínios de médio e alto padrão da região metropolitana diferem dos da capital no tipo de unidade oferecida. “Nos municípios da RMC nota-se um número maior de oferta de condomínios horizontais de terrenos do que na capital”, afirma o presidente em exercício da Ademi/PR.

Outro item que pode ser um diferencial é o preço do metro quadrado, que está diretamente relacionado ao custo de aquisição do terreno para implantação do empreendimento, que tende a ser menor fora de Curitiba. É preciso considerar, porém, que o padrão do condomínio também influencia o valor do metro quadrado e que nem sempre um terreno ou casa em empreendimento na RMC será mais barato.

5.542 terrenos
estão disponíveis em condomínios na RMC, segundo dados da Ademi/PR de agosto de 2015. Em dezembro de 2014, eram 1.473 lotes, o que representa um aumento de 276%. Do total, 3.100 são do loteamento popular Green Portugal, em Fazenda Rio Grande. Sem ele, o crescimento do número de lotes foi de 65%.

Espaço possibilita construção de “condomínio-cidade” em Colombo

A disponibilidade de espaço na Região Metropolitana de Curitiba também permite a implantação dos chamados núcleos horizontais residenciais, conjuntos de condomínios residenciais horizontais associados a um centro comercial que funcionam como pequenas cidades. Depois do Alphaville Graciosa, em Pinhais, a partir de 2016 o município de Colombo deve abrigar um empreendimento dessa categoria, o Eccotown da Pedreira, da Construtora Strobel.

“Serão alguns condomínios juntos e, no centro deles, uma área comercial com 18 a 20 lojas, para que a pessoa tenha serviços básicos muito próximos de casa, o que traz conforto”, explica o diretor da empresa, Félix Strobel Júnior. Segundo ele, cada empreendimento terá mais de 200 mil metros quadrados.

Para aumentar a comodidade, os condomínios devem oferecer uma área de lazer que inclui salão de festas e jogos, quadra poliesportiva, churrasqueira e playground, entre outras regalias. Além disso, como o foco do projeto Eccotown é sustentabilidade, os condomínios vão contar com iniciativas como reutilização da água da chuva, telhado verde e coleta de lixo seletiva.

O primeiro empreendimento do Eccotown da Pedreira, o Alta Vista Condominium, já foi lançado e está em fase de implantação. Serão 39 terrenos com pelo menos 360m² privativos. Outros dois condomínios já foram aprovados e a construtora, que enxerga potencial em outras cidades da RMC para a implantação de núcleos semelhantes, pretende aprovar um quarto.

R$ 800 a R$ 1.100
É a faixade preço por metro quadrado com o qual está trabalhando a Paysage Empreendimentos, que está implantando o condomínio Paysage Di Piero em Campo Largo. O preço da Construtora Strobel no Alta Vista Condominium é semelhante.

Fonte: Gazeta do Povo 

Qual a capital da Região Sul do país com o maior preço médio do metro quadrado privativo para os imóveis residenciais novos? Estudo realizado pela BRAIN Bureau de Inteligência Corporativa, em parceria com a Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi/PR), com 35 cidades, revelou que o município de Porto Alegre (RS) lidera o ranking de preços entre as capitais, com metro quadrado privativo de R$ 7.508,00. Na sequência, aparece Florianópolis (SC) e depois Curitiba (PR), com valor médio do metro quadrado privativo a R$ 7.393,00 e a R$ 6.327, respectivamente.

Analisando além das capitais, a cidade com o preço mais elevado para os imóveis residenciais novos foi Balneário Camboriú (SC), com metro quadrado privativo médio a R$ 11.018. O sócio da BRAIN e diretor de Pesquisa de Mercado da Ademi/PR, Fábio Tadeu Araújo, explica que a diferença de preços está diretamente ligada ao padrão dos empreendimentos e à localização.

“Ainda que Curitiba tenha uma pequena extensão territorial e seja cercada por áreas de preservação ambiental, existem diversas regiões nobres e a oferta de empreendimentos é pulverizada, mesmo em locais mais afastados do centro. Já nas demais cidades, existe a concentração dos lançamentos num único pólo habitacional, o que acaba restringindo a oferta e encarecendo o preço dos imóveis à venda”, avalia.

Em relação ao preço dos imóveis comerciais, Curitiba também detém o menor valor entre as capitais da Região Sul, de R$ 8.820 a média do metro quadrado privativo. A capital Porto Alegre lidera o ranking de preço, com metro quadrado privativo a R$ 11.314. Na sequência, aparece Florianópolis e depois Balneário Camboriú, com metro quadrado privativo de R$ 9.730,00 e de R$ 9.358, respectivamente. “O metro quadrado do imóvel comercial em Curitiba é 9% menor do que em Florianópolis e 22% menor do que em Porto Alegre”, ressalta Araújo.

O presidente em exercício da Ademi/PR, Jefferson Gomes da Cunha, diz que o preço de venda dos imóveis novos em Curitiba, seja residencial ou comercial, ainda é bastante convidativo, mas que o valor das unidades novas tende a aumentar em 2016. “De modo geral, os novos empreendimentos estão sendo lançados a preços maiores do que os edifícios com unidades prontas para morar, em função da elevação dos custos dos insumos da construção, que tem reflexo imediato com as altas de combustíveis e energia elétrica, a alta da inflação pelo aumento do dólar e o aumento da carga tributária. Por isso, para quem dispõe de recursos para a compra da casa própria, esse é um ótimo momento para fazê-lo”, avalia.

Fonte: Bem Paraná 

Desvalorização do real frente ao dólar faz aumentar procura de imigrantes por casas e apartamentos no Brasil

Imigrantes brasileiros nos EUA estão na mira das construtoras. Com o dólar perto dos R$ 4, as vendas de imóveis no Brasil para quem mora fora nunca estiveram tão aquecidas. De olho neste público, as empresas criaram estratégias exclusivas para ajudar a atenuar a forte queda do segmento no país, afetado pela recessão. Na avaliação de parte das empresas, esta é a melhor fase de vendas da história no mercado externo.

Para o imigrante, o cenário é favorável para a compra de imóveis novos ou usados: os preços recuaram em reais com a desaceleração da economia, e, em dólares, a queda chega a 40% em um ano. Além disso, com a manutenção dos juros nos Estados Unidos perto de zero, o movimento ganha fôlego com a procura por investimentos mais rentáveis.

“Procuro um terreno para comprar em Florianópolis, vou aproveitar e ter meu segundo imóvel lá. Hoje, compro por US$ 80 mil o que, há dois anos, me custaria US$ 160 mil. Se não fosse esse dólar, investiria nos EUA, mas não posso perder essa oportunidade. Fiz isso em 2002, quando o dólar subiu, e comprei meu primeiro imóvel. Foi um ótimo negócio” afirmou o gaúcho Cleber Rodrigues, 49, que vive há 20 anos em Washington. “Se deixar o dinheiro aplicado aqui, não ganho nada”.


Construtoras
Um apartamento por dia. Isso é o que a MRV quer vender a brasileiros que moram nos Estados Unidos. Atualmente, são 20 imóveis por mês para compradores do exterior. Quando o dólar estava na faixa de R$ 2, esse tipo de operação era considerada esporádica. Presente no mercado popular, se chegar a este patamar, a construtora teria 1% de suas vendas no exterior, o que significaria algo como R$ 50 milhões a mais por ano, num momento de mercado desaquecido no Brasil.

Estimativas indicam que a comunidade brasileira que vive nos EUA pode ultrapassar um milhão. E a casa própria no Brasil é tema recorrente. O mineiro Atos Romualdo Neto Batista acabou de comprar um imóvel na planta. Morador de Orlando, viu a oportunidade de pagar US$ 42 mil por um apartamento de R$ 170 mil em Belo Horizonte. “Já tinha um dinheirinho guardado para a entrada e fiz um financiamento curto. Quero quitar em, no máximo, dois anos. Com 15 dias de trabalho aqui, pago a prestação”, disse.

A compra com financiamento rápido é a marca deste cliente: ele quita rapidamente o valor devido, o que garante um bom caixa para as construtoras. A MRV, que está criando uma rede de parceiros nos EUA e estuda abrir loja em Boston, finaliza o projeto de seu primeiro empreendimento em Governador Valadares (MG), de onde sai parcela significativa dos imigrantes. “Esperamos vender 20% dos 400 apartamentos para brasileiros fora do país”, disse Rodrigo Resende, diretor da empresa. Gustavo Reis, diretor de Marketing da Tecnisa, conta que a empresa começou há dez dias uma grande ofensiva publicitária nos EUA. Sem dar números, conta que espera para 2016 a maior venda na história para os imigrantes, após 11 anos atuando no segmento, o que é facilitado pelo fato de a construtora ter 42% das vendas online.

Fonte: Gazeta do Povo 

Restrição do crédito e facilidade de negociação dos aluguéis, decorrente da oferta abundante, estimulam o setor

O momento difícil da economia do país e o cenário de restrição do crédito imobiliário tem tido reflexos positivos sobre o mercado de locação residencial, que tem visto sua demanda crescer em Curitiba.

Em setembro, o número de imóveis locados – 979 unidades – foi 20% superior ao registrado no mesmo mês de 2014, de acordo com estimativa do Instituto Paranaense de Pesquisa e Desenvolvimento do Mercado Imobiliário e Condominial (Inpespar), ligado ao Sindicato da Habitação e Condomínios do Paraná (Secovi-PR).

No mês de agosto, o número de locações foi ainda maior, 1,15 mil imóveis, e só perdeu para o mês de fevereiro, quando 1,3 mil unidades receberam novos inquilinos, principalmente estudantes.

Proprietário mais flexível
Com mais imóveis disponíveis para aluguel em Curitiba – 10,6 mil unidades em setembro passado –, os proprietários flexibilizaram as exigências dos inquilinos e também os termos de negociação de preço. Muitos estão assumindo o custo do seguro fiança e dispensando o fiador para não perder negócio. A questão da oferta afeta lados opostos da mesma cadeia. Quando alta, o inquilino tem maior opção de escolha e poder de barganha. “Para o proprietário, a oferta alta reduz o preço e não ajuda a remunerar o investimento”, observa o sócio-diretor da Futurama Imíoveis, Luiz Valdir Nardelli.

Para a vice-presidente de locação do Secovi-PR, Fátima Galvão, a dificuldade dos clientes para comprar o imóvel próprio, decorrente das mudanças nas regras do financiamento promovidas pela Caixa Econômica Federal (CEF), é um dos aspectos que tem contribuído para o crescimento das locações. Em 2015, o banco elevou por três vezes sua taxa de juros, além de reduzir o teto do financiamento para imóveis usados. “Entre 2012 e 2014, a facilidade de crédito ajudou as pessoas a comprarem a casa própria, o que levou a um volume significativo de desocupações [das unidades locadas]. Hoje, o crédito e a situação econômica estão mais delicados e os clientes, muitas vezes, não têm as reservas necessárias para fazer este investimento, o que estimula a locação”, diz.

O crescimento vegetativo da demanda decorrente, por exemplo, dos casamentos e separações e a maior abertura dos proprietários para as negociações são outros pontos que estimulam este cenário, na opinião dos especialistas. “Percebemos maior abertura dos proprietários para a negociação de preço e também para as ações voltadas para a fiança. Nós estamos com uma campanha na qual o locador arca com o seguro fiança, dispensando o inquilino do fiador, o que tem facilitado a locação”, conta Lúcia Shaicoski, gerente do setor de locação do Grupo Gonzaga.

Oferta x preço
Junto com os negócios fechados, a oferta de imóveis residenciais disponíveis para locação também cresceu no período e chegou a marca das 10,6 mil unidades – 28,3% a mais do que em setembro de 2014.

A abundância da oferta, por sua vez, tem segurado o valor cobrado pelo metro quadrado locado na capital, que caiu 1,1%, passando de R$ 14 em setembro do ano passado para R$ 13,84 no mesmo mês de 2015. “O preço, a localização e o estado de conservação do imóvel são os aspectos que, juntos, interferem na decisão pela locação”, explica Luiz Valdir Nardelli, sócio-diretor da Futurama Imóveis.

Segundo ele, os apartamentos com preços entre R$ 700 e R$ 1,5 mil são os mais procurados pelos inquilinos. Já o ticket médio dos aluguéis, em setembro, era de R$ 1.185, de acordo com o Secovi-PR.

Inadimplência da locação é a menor em 2015
Mesmo com a crise econômica, a grande maioria dos inquilinos está honrando o compromisso financeiro e pagando em dia o aluguel da residência onde moram. Dados do Inpespar apontam que o índice de inadimplência em setembro era de 2,3%, número próximo ao registrado em agosto (2,2%). No comparativo com setembro de 2014, houve redução de 0,5 ponto percentual no índice.

A tendência de queda ou de estabilidade do indicador decorre, principalmente, da última alteração realizada na Lei do Inquilinato, que possibilitou à Justiça executar mais rapidamente as ações de despejo, como explica Fátima Galvão, vice-presidente de locação do Secovi-PR. “Há também o outro lado, o do inquilino que não tem interesse em desocupar o imóvel, uma vez que a residência é uma questão de segurança familiar, e se mantém mais atento a esses pagamentos”, acrescenta.

Lúcia Shaicoski, gerente do setor de locação do Grupo Gonzaga, diz que a estabilidade do índice também é reflexo de como as empresas conduzem seus cadastros e os processos de cobrança em si. “No momento em que se faz a locação, há o cuidado de se fazer um bom cadastro, o devido acompanhamento e de se manter uma cobrança ativa. Tudo isso faz com que o risco de inadimplência seja menor”, completa.

Fonte: Gazeta do Povo 

3975 2 LDecisão foi tomada nesta quarta feira,7, em reunião do conselho curador do FGTS, órgão composto por 24 integrantes, dos quais a metade indicada pelo governo

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) vai transferir, no mínimo, R$ 8,1 bilhões do lucro líquido do fundo para o governo bancar as moradias para as famílias de baixa renda do Minha Casa Minha Vida em 2015 e 2016.


A decisão foi tomada nesta quarta  feira,7, em reunião do conselho curador do FGTS, órgão composto por 24 integrantes, dos quais a metade indicada pelo governo.O colegiado aprovou o pedido para que sejam transferidos R$ 3,3 bilhões do FGTS ainda neste ano para pagar a construção de até 80 mil moradias para a chamada faixa 1, famílias que ganham até R$ 1,6 mil por mês. Pelas regras atuais, até 95% do valor dos imóveis são bancados com dinheiro doOrçamento Geral da União (OGU) a fundo perdido. O conselho autorizou o FGTS a custear até 80% do valor do imóvel, com subsídio máximo de R$ 45 mil por moradia. Os outros 15% continuarão
sendo pagos com o dinheiro do orçamento. A contrapartida das famílias que ganham essas moradias é pagar até 5% do valor da renda por mês durante dez anos. No caso do pagamento das 80 mil famílias, o retorno para o FGTS será de R$ 500 milhões ao fim de dez anos, corrigidos a 5% ao ano mais Taxa Referencial (TR).

Ao mudar as regras, o conselho deixou caminho aberto para que em 2016 sejam transferidos outros R$ 4,8 bilhões do FGTS ao Minha Casa. O pedido tinha sido feito pela equipe econômica que precisa dessa medida para fechar as contas do ano que vem no azul. "Essa complementação em caráter excepcional se dá em função de uma queda de receita imprevista", afirmou o ministro do Trabalho e Previdência Social, Miguel Rossetto, presidente do conselho curador do FGTS. As construtoras reclamam que o governo não está cumprindo o acordo de colocar em dia os pagamentos.

Rossetto disse que a medida permite que a população trabalhadora de baixa renda tenha acesso à moradia, garante os empregos na construção e dinamiza a economia. De acordo com ele, a aprovação da transferência dos recursos do fundo privado, formado com o dinheiro do trabalhador brasileiro, para o Minha Casa vitrine
eleitoral da presidente Dilma Rousseff só é possível porque a saúde financeira do FGTS é "excepcional".


Os recursos serão retirados do lucro líquido, estimado em R$ 13 bilhões neste ano. O fundo não assumirá os riscos das operações, como calotes. Desde 2009, quando o programa foi criado, o FGTS é responsável por ser a fonte dos financiamentos das outras duas faixas do programa, mas nunca colocou recursos a fundo perdido na faixa 1, que era responsabilidade do governo, dentro da política para diminuir o déficit habitacional.


Com a decisão tomada pelo conselho curador, o FGTS vai passar a arcar com os pagamentos dos imóveis da faixa 1 e não apenas com os subsídios dos financiamentos com juros mais baixos, estimados em R$ 8,9 bilhões neste ano.

Fonte: InfoMoney

O Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Paraná, Creci-PR, promoverá durante o mês de outubro as caminhadas em prol da Campanha Outubro Rosa.

O objetivo deste evento é conscientizar as mulheres sobre a importância de realizar o autoexame e a mamografia regularmente. Serão feitas caminhadas também nas regionais do Creci-PR.

DATAS

Guarapuava dia 17 de outubro às 14 horas, concentração na Praça IX de Dezembro;

Londrina dia 17 de outubro às 9 horas, concentração no Aterro Lago Igapó II;

Em Curitiba a caminhada será realizada no Parque Barigui, com concentração em frente à Expo Renault no dia 24 de outubro às 9 horas;

Pato Branco dia 25 de outubro as 08h30min, concentração na Avenida Tupi;

Cascavel dia 25 de outubro horário a confirmar, concentração na Avenida Brasil,

Matinhos dia 25 de outubro às 9 horas, concentração na Praça Central.

 

O Conselho Regional de Corretores de Imóveis 6º Região-Paraná, realizou no dia 8 de outubro a Solenidade de entrega de credenciais para os 286 novos Corretores de Imóveis de Curitiba e região. A cerimônia que aconteceu no Centro de Convenções de Curitiba contou com a presença do Presidente em exercício do Creci-PR Rosalmir Moreira e dos diretores do Conselho.

Durante a solenidade foi lançada a Campanha Institucional de Valorização Profissional que tem como tema: “IMÓVEL SÓ COM CORRETOR DE IMÓVEIS”, e mais o alerta de que “EXERCÍCIO ILEGAL DA PROFISSÃO É CASO DE POLÍCIA”, nos termos do artigo 47 do DECRETO-LEI Nº 3.688, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 (Lei das Contravenções Penais).

A Vice Presidente Adjunto para Assuntos da Mulher Izabel Maestrelli, lançou durante a cerimônia a Caminhada do Outubro Rosa, que será realizada no Parque Barigui, com concentração em frente à Expo Renault no dia 24 de outubro às 9 horas.

Jonas Bortoletto, coordenador da comissão Creci Jovem, fez um convite a todos os novos corretores de imóveis para uma manhã de palestras que vai acontecer no dia 14 de novembro, no ISAE FGV. Para maiores informações entre em contato no 41- 3262 5505.


Campanha Valorização

O CRECI/PR iniciou a sua maior campanha institucional de valorização profissional, com o tema: “IMÓVEL SÓ COM CORRETOR DE IMÓVEIS”, e mais o alerta de que “EXERCÍCIO ILEGAL DA PROFISSÃO É CASO DE POLÍCIA”, nos termos do artigo 47 do DECRETO-LEI Nº 3.688, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 (Lei das Contravenções Penais).

Além de lembrar que somos uma profissão regulamentada, a campanha visa reforçar a ideia de que o corretor de imóveis representa a garantia do melhor investimento. Serão 160 outdoors que ficarão nas principais cidades pelo mínimo de 15 dias e mais 54 unidades que serão instaladas nas rodovias mais importantes do estado onde serão mantidos e conservados por 1 (um) ano.

 

Essa é apenas a primeira fase da campanha. Depois vamos fazer diferentes divulgações aproveitando de outros meios de comunicação. Nosso principal alvo é esclarecer à sociedade que o corretor de imóveis é o profissional que melhor entende do mercado imobiliário.


No entanto, também precisamos da participação maciça dos corretores de imóveis para ampliar a visibilidade dessa campanha. Isso poderá ser feito comprovando que realmente somos os verdadeiros especialistas na intermediação da compra, venda, locação e avaliação de imóveis e, sobretudo, que seguimos as determinações éticas da profissão.


Rosalmir Moreira

Presidente em exercício

Em agosto, mais da metade dos compradores de imóveis usados optaram por quitá-los no ato da compra


VendaImoveis17An k19C U101767905482OLH 1024x683GP WebEm Curitiba, os pagamentos à vista superaram os financiamentos imobiliários e começam a despontar como a principal alternativa para a compra de imóveis usados. No último mês de agosto, 53% das pessoas que fecharam negócio quitaram o bem no ato da compra ante os 47% que contrataram o crédito junto às instituições bancárias.

Esta inversão na curva de pagamento não acontecia desde abril de 2012, segundo dados do Instituto Paranaense de Pesquisa e Desenvolvimento do Mercado Imobiliário e Condominial (Inpespar), ligado ao Sindicato da Habitação e Condomínios (Secovi-PR). Entre os fatores que levaram a maior participação dos pagamentos à vista estão as mudanças nas condições do crédito imobiliário e os impactos da crise econômica sobre a renda das famílias, como explica Maurício Ribas Moritz, vice-presidente de Economia e Estatística do Secovi-PR.

Crédito restrito
Entre tais mudanças pode-se listar a redução do teto do financiamento para imóveis usados pela Caixa Econômica Federal – que passou de 80% para 50% nos imóveis enquadrados no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e de 70% para 40% pelo Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), dentro do Sistema de Amortização Constante (SAC) –, e a alta nas taxas de juros do banco estatal, que concentra a maior parcela dos financiamentos no país.


Em 2015, a Caixa reajustou três vezes sua tabela para a liberação do crédito imobiliário. A última rodada de aumentos foi anunciada no dia 21 de setembro e passa a valer para os contratos fechados a partir desta quinta-feira (01).

“Além disso, os bancos mudaram seus processos de análise de crédito, tornando-os mais rigorosos em virtude das mudanças na economia, que elevam o medo da inadimplência”, acrescenta Luciano Tomazini, presidente da Rede Imóveis.

Moritz ilustra esta questão com o exemplo de clientes que tinham cadastros pré-aprovados e que, passados alguns meses, não tiveram o crédito liberado pelos bancos [o que fez com que boa parte deles tivesse que adiar o sonho da casa própria]. “Um pequeno porcentual consegue migrar, com esforço, para o pagamento à vista, mas para a grande maioria não há mágica”, resume.

Velocidade de vendas
Junto com a queda nas compras financiadas, caiu também a velocidade de vendas dos imóveis usados. O índice, que mede o porcentual de unidades vendidas em relação à oferta, estava em 2,4% em agosto de 2015, menos da metade do registrado no mesmo mês de 2014, quando o indicador era de 4,9%.

O estoque, por sua vez, avançou 13% no período, passando das 17,8 mil para 20,2 mil unidades. “O número está um pouco elevado e é reflexo do volume de construções que foram entregues neste período. Com a redução dos lançamentos, [a tendência] é a de que o estoque se estabilize”, prevê Tomazini.

Fonte: Gazeta do Povo 

A taxa efetiva total cobrada de não clientes da Caixa para compra de imóveis pelo Sistema Financeiro
Habitacional passa de 9,45% para 9,90% ao ano

A Caixa Econômica Federal vai promover nova rodada de aumento das taxas de juros no financiamento imobiliário com recursos da caderneta de poupança, informou o banco estatal à Reuters nesta segunda feira, ressaltando que os juros para o programa Minha Casa Minha Vida serão mantidos.
A partir de 1º de outubro, a taxa efetiva total cobrada de não clientes da Caixa para compra de imóveis pelo Sistema Financeiro Habitacional (SFH) passa de 9,45 para 9,90 por cento ao ano.
Para correntistas da Caixa e servidores públicos, as novas taxas sobem de uma faixa de 8,80 a 9,30 por cento para 9,30 a 9,80 por cento ao ano. O SFH engloba imóveis avaliados na faixa que vai até 650 mil a 750 mil reais, dependendo da cidade.
Já para o Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), em que os imóveis têm valores acima desta faixa, a taxa balcão sobe de 11 para 11,50 por cento ao ano, também em 1º de outubro, para imóveis residenciais. Nos casos de correntistas e servidores, as faixas passarão de 10,20 a 10,70 por cento para 10,50 a 11,20 por cento anuais. No caso de imóveis comerciais enquadrados no SFI, o aumento será maior, com a taxa balcão subindo
de 12 para 14 por cento ao ano.
Mais cedo neste ano, o banco federal havia elevado duas vezes o preço cobrado dos empréstimos pelo SFH, além de reduzir, de 90 para 80 por cento, a cota máxima de financiamento do imóvel no Sistema de Amortização Constante (SAC) e 50 por cento pela tabela Price.
Já em agosto, o acesso de detentores de financiamento na Caixa com recursos da poupança foi negado para novo financiamento dessa linha.

Fonte: Infomoney